“São Paulo é mais gay ou evangélica?”

Padrão

Tomo a liberdade de utilizar o título do post do Gilberto Dimenstein em seu blog, no site da Folha, aqui no meu para que os leitores tenham o mesmo impacto que eu tive quando o li hoje ao navegar pela internet. Após o ler, é evidente que eu quis saber o que ele tinha a dizer sobre a Marcha para Jesus, realizada no último dia 23 de junho, e a Parada Gay, ocorrida ontem, na Avenida Paulista.

Confesso que após o ler e de consultar diversos sites com as notícias sobre os dois eventos, senti vergonha alheia – e não foi pouca – pelo simples fato de ser evangélica. Infelizmente tive que concordar com o Dimenstein: “Os gays usam a alegria para falar e se manifestar. A parada evangélica tem um ranço um tanto raivoso, já que, em meio à sua pregação, faz ataques a diversos segmentos da sociedade. Nesse ano, um dos seus focos foi o STF.”

Em matéria sobre a Marcha, o Portal Último Segundo, do iG, destaca frase do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), ligado a Igreja Universal do Reino de Deus no qual ele diz que “a marcha não deixa de ser um ato político”. E continua assim o texto: “O discurso mais radical foi do pastor Silas Malafaia. Com palavreado vulgar, usando termos como “otário” e “lixo moral”, Malafaia atacou duramente a decisão do STF de legalizar a união estável entre pessoas do mesmo sexo.”

Quero expressar aqui que não sou a favor de nenhuma das duas manifestações. No meu entender, a Parada, ao contrário do que dizem os organizadores, não discute ou defende a questão da liberdade sexual. Vejo que a maior parte dos homossexuais aproveita o momento com libertinagem. Já ouvi diversos comentários de pessoas que se esqueceram do evento e acabaram passando próximo ao local, descreverem como “baixaria” o que viram.

Já a Marcha para Jesus, que deveria ser para reunir o povo de Deus em adoração e exaltação ao nome dEle, se tornou um grande “oba-oba”, com músicos interessados muitas vezes apenas em sua exposição e pessoas interessadas em ver artistas famosos do mundo gospel. Pior, desta vez, aqueles que estavam à frente usaram o microfone para criticar a decisão do STF sobre a aprovação da união estável homoafetiva de maneira agressiva.

Ressalto que também não sou a favor da decisão, mas discordo do modo com que muitos líderes têm tratado a questão, faltando muitas vezes com o devido respeito que as pessoas merecem, independente de sua opção sexual. É preciso deixar claro que uma coisa é discordarmos da conduta da pessoa e outra, bem diferente, é não gostarmos dela ou não querermos o seu bem.

É uma pena que, nessa discussão toda, hoje estejam se esquecendo de que Jesus não expunha as pessoas. O trecho que fala sobre a mulher adúltera exemplifica bem isso. Um grupo de homens levou até Ele uma mulher flagrada em adultério. Depois de pedir para que atirasse a primeira pedra aquele que não tinha pecado e, todos irem embora um a um, Ele disse para a mulher: “Onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?… Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.” (João 8: 10, 11)

Não podemos fugir do fato de que veremos cada vez mais casais de homossexuais juntos e, muitas vezes, demonstrando carinho mútuo publicamente. Por outro lado, querer que eu não me constranja e aja normalmente diante de uma cena dessa não é tão simples. Para mim, um casal é formado por um homem e uma mulher. Foi assim que Deus nos criou para que completássemos um ao outro e tivéssemos os nossos descendentes. Não vou entrar no mérito do por que duas pessoas do mesmo sexo decidem ficar juntas. Esta é outra discussão. Aqui só quero ressaltar o respeito, que deve vir em primeiro lugar.

Anúncios

»

  1. Gostei do seu texto, o respeito realmente deveria ser a base de qualquer manifestacao! Como sou a favor da uniao homossexual, decidi fazer somente um comentario, para, como dizem em ingles, “food for thought”. Respeito totalmente sua opiniao, mas queria aproveitar para colocar a minha tambem!
    O homossexualismo existe no reino animal, foi observado e documentado. Os animais nao sao guiados por escolhas morais e sim por instinto, entao para mim, faz parte da natureza. E como Deus criou a natureza, nao tem porque considerar errado! Isto me faz pensar que talvez seja o homem quem tenha inventado a regra de que isto errado, afinal, que mal faz duas pessoas que se amam ficarem juntas? Conheco muitos casais de pessoas do mesmo sexo que se respeitam muito mais que casais de sexos diferentes, e demonstram um amor incrivel um pelo outro. Por que esta relacao seria menos valiosa a Deus se e baseada nos mesmos sentimentos que se observa entre homem e mulher?

    • Não conhecia essa expressão “food for thought”… A ideia do blog é justamente essa, Jana. Trazer algum assunto à discussão, fazer com que os outros pensem e reflitam sobre ele. E alimentar esse ciclo, porque também vou pensando a partir de outros pontos de vista.
      Realmente existem pessoas do mesmo sexo que se amam de uma maneira incrível e que se respeitam mais do que um casal homem/mulher.
      Prefiro não entrar no mérito sobre o que leva uma pessoa a se sentir atraída pelo sexo oposto, porque são diversas as razões. Só sei que é um assunto que ainda vai dar muito “pano pra manga”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s